Jiu-Jitsu feminino rompe barreira com Queen of Mats no Rio; Kyra apoia e pede por ‘mais igualdade’

Publicidade

* Em meio a luta por igualdade das mulheres, em especial dentro do esporte, a AJP Tour (Abu Dhabi Jiu-Jitsu Professional) vai promover a estreia do Queen of Mats (ADQOM) na edição do Grand Slam do Rio de Janeiro, que será realizado entre sexta-feira (1) e domingo (3), na Arena Carioca 1. O torneio é similar ao King of Mats, para homens, que vem se tornando cada vez mais popular nos eventos da organização internacional. O evento ainda terá as tradicionais disputas por peso na faixa-preta, tudo com ENTRADA GRATUITA durante os três dias.

Serão seis atletas divididas em dois grupos, com as duas melhores indo para a decisão. O torneio será realizado na divisão dos leves (até 62kg) com nomes importantes do cenário mundial do esporte como Ana Talita Alencar, Mayssa Bastos, Bianca Basílio, Amal Amjahid, Luiza Monteiro e Anna Rodrigues. O Queen of Mats, vale lembrar, será disputado na sexta-feira (1) – primeiro dia do evento.

Em entrevista à TATAME, Rodrigo Valerio, executivo da AJP, explicou que o valor pago por atleta no Queen of Mats é o mesmo do King of Mats: US$ 1 mil por competidor(a). Sendo assim, a premiação final pode variar de acordo com a quantidade de participantes em ação.

“São mil dólares de prêmio para cada atleta na chave. Se a competição tiver 12 participantes, a premiação será de US$ 12 mil. Se tiver 10 atletas, será de US$ 10 mil e assim por diante. Com isso, incentivamos mais e mais atletas a participarem e premiamos os atletas de acordo com o tamanho do evento”, explicou Valerio.

A primeira edição do ADQOM terá apenas seis competidoras, e no caso, a premiação final será de US$ 6 mil (cerca de 24 mil reais, segundo a cotação de quarta-feira (30) do Banco Central brasileiro). O dirigente da AJP comentou que a tendência é aumentar o número de lutadoras nas próximas edições do Queen of Mats.

“Para a primeira edição do ADQOM, por questões de calendário e contusões, dos convites que enviamos para as atletas, conseguimos confirmar seis (lutadoras) com tempo suficiente para preparação das atletas e promoção do evento. A nossa experiência mostra que à medida que a popularidade do evento cresce, mais atletas querem participar, causando o crescimento da premiação também”, projetou o brasileiro.

Uma das maiores referências do Jiu-Jitsu feminino, Kyra Gracie comemorou a realização do Queen of Mats e destacou a importância de federações pagarem premiações iguais para mulheres e homens. A faixa-preta ainda salientou que é necessário esquecer o lucro e pensar mais na fomentação do esporte.

“Eu passei por muitas dificuldades durante a minha carreira e não quero que essa geração passe. Quero que elas tenham mais incentivo. Isso vai depender de como as revistas tratam as mulheres e, principalmente, as federações. É inadmissível, no mundo em que vivemos, que uma federação não pague para as mulheres, o que paga para os homens. A federação internacional (IBJJF) tem um Grand Prix que paga US$ 40 mil para os homens e não existe um torneio similar para as mulheres. Isso mostra que não existe um incentivo para o Jiu-Jitsu feminino de forma geral dentro do esporte”, disse a ex-lutadora à TATAME.

A faixa-preta de Jiu-Jitsu, que vem desenvolvendo uma petição para buscar mais espaço para as mulheres dentro do Jiu-Jitsu (saiba mais, aqui), afirmou que pretende comparecer ao evento para prestigiar as atletas: “Eu fico muito feliz por ver que tem pessoas e federações que estão pensando nas mulheres. Eu fiz um evento (Gracie Pro) e coloquei a mesma premiação. Entendo que evento privado pode querer pagar mais para homens ou algumas mulheres. Quando o evento é privado, o dono(a) faz o que quer. Mas as federações não podem fazer isso e tratar as mulheres com alguma desigualdade”, frisou Kyra Gracie.

74
Kyra busca atrair cada vez mais atenção para o Jiu-Jitsu feminino (Foto Heartz Oliveira)

Queen of Mats 2 marcado para janeiro

A expectativa da AJP para o Queen of Mats é alta. Seguir reunindo as maiores atletas da atualidade é um dos objetivos da organização para os próximos anos. Com exclusividade à TATAME, Rodrigo Valerio revelou que em janeiro de 2020, durante o Grand Slam de Abu Dhabi, será realizado o Queen of Mats no peso pesado.

“O Jiu-Jitsu ainda apresenta uma proporção de 75% homens e 25% mulheres, em média, na relação de praticantes e competidores. A AJP trabalha diariamente para que esses percentuais se aproximem cada vez mais. A segunda edição do ADQOM já está marcada para o Abu Dhabi Grand Slam Tour em Abu Dhabi, em janeiro de 2020. No peso pesado, teremos as melhores atletas do mundo até 95kg”, revelou Valerio.

Com a institucionalização do Jiu-Jitsu nos Emirados Árabes Unidos feita pelo Xeique Muhammad bin Zayed Al Nahyan, local de origem da AJP, a modalidade vem sendo fomentada para meninos e meninas nas escolas do país na mesma medida. Além disso, foram contratadas professoras para ministrar aulas para mulheres.

*Por Yago Rédua

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade