Robson Gracie Jr dispara contra falastrões e diz: ‘Se eu me sentir ofendido, a porrada vai comer em qualquer lugar’

Publicidade

* Membro da família real do Jiu-Jitsu, Robson Gracie Jr vem começando sua trajetória no MMA em alto nível. Em três lutas como profissional pelo Bellator, o faixa-preta – filho de Robson e irmão de Renzo – finalizou todas. Em um bate-papo com a TATAME, porém, o lutador disse que a tendência é o caminho ficar cada vez mais difícil daqui pra frente.

A respeito de um possível encontro com o polêmico Dillon Danis – também faixa-preta de Jiu-Jitsu -, Robson disse que não gosta de ficar desafiando ninguém ou provocando seus possíveis rivais. O brasileiro afirmou que está pronto para o adversário que o Bellator escolher colocar em seu caminho.

“O Bellator está me dando a oportunidade de crescer na organização, tem casado as minhas lutas contra strikers. Com certeza, a partir de agora, o caldo vai começar a engrossar. Lutar em janeiro (de 2020) seria perfeito pra mim, por conta da data. Mas não gosto de desafiar ninguém e muito menos do ‘trash talk’ ou lutas que vem das redes sociais”, disse o Gracie, hoje aos 30 anos, que ainda completou:

“O que acho que não é o caso do Dillon Danis. Comigo isso não funciona, se eu me sentir ofendido, a porrada vai comer em qualquer lugar, não vou ficar atrás da tela do celular digitando e falando gracinha. A partir do momento que você ofende alguém, tem que estar disposto a brigar”, disparou o Gracie.

O peso-meio-médio brasileiro também comentou sobre sua última vitória, no começo do mês, quando finalizou Ameer Bashir no Bellator em Israel, sua evolução no MMA e o destaque nos treinos de trocação.

 

Ver essa foto no Instagram

 

The Gracie way Brothers don’t let Each other in the dark. Your fight, is my fight My fight , is your fight. Together we stand. #neveralone

Uma publicação compartilhada por Robson Gracie (@robsongracie) em

Confira abaixo a entrevista na íntegra com Robson Gracie Jr:

– Início no MMA profissional

Não poderia ser melhor, ainda mais representando a minha família (Gracie) e o Jiu-Jitsu, mas uma coisa que me incomoda é o fato de falarem que sou invicto. Tenho apenas três lutas, digo apenas que tive um bom início. Consegui impor meu jogo nos três combates e mostrando tranquilidade no cage, isso é importante.

– Análise da última vitória  

Apesar da vitória, paramos para analisar e corrigir os erros. Renzo fez algumas críticas pois deixei escapar a finalização no katagatame. Estava encaixado, mas acabei cometendo um erro que não poderia. Esse puxão de orelha é bom pra manter os pés no chão. O lado bom foi que mesmo errando, fiquei calmo e finalizei.

– Evolução nas três lutas

Continuo melhorando bastante em relação às duas lutas anteriores, o corte de peso também foi mais tranquilo, nem fiz sauna. E, nessa última luta, achei que poderia ir para o segundo round e não me desesperei, perdi algumas posições e mantive a calma. Me sinto pronto para qualquer situação adversa.

– Treino forte na luta em pé

O Jiu-Jitsu pode salvar, mas a parte em pé pode decidir. Tenho treinado muito Boxe, tive o privilégio de treinar na Nobre Arte com o Mestre Cláudio Coelho, mas é importante melhorar o Muay Thai também.

* Por Yago Rédua

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img