Superlutas, alto nível nas categorias e mais: Brasileiro de Jiu-Jitsu Paradesportivo agita o Rio de Janeiro

Publicidade

Durante o último domingo (8), em Deodoro, no Rio, aconteceu a segunda edição do Brasileiro de Jiu-Jitsu Paradesportivo – em meio ao Brasil Open. O evento teve um alto nível técnico nas categorias – que foram divididas por classificação funcional e critérios bem definidos. Daniel Borges, presidente da Federação Catarinense de Jiu-Jitsu Paradesportivo (FCJJP), fez um balanço e destacou a boa parceria com a SJJSAF.

“O primeiro Brasileiro ocorreu em Florianópolis e, neste ano, em função das medidas restritivas (por conta da Covid-19), não foi possível fazer o campeonato lá. Em uma conversa com o Cleiber Maia (presidente da SJJSAF), conseguimos realizar o torneio dentro do Brasil Open, para que os paratletas pudessem não passar o ano todo em branco”, disse o dirigente, que ainda comentou sobre o apoio de empresas privadas:

“Quando falamos de Parajiu-Jitsu, precisávamos ajustar a visão para fazer acontecer. Tiramos o ‘vitimismo’, aquela falsa inclusão de fazer uma lutinha no canto, e trouxemos uma visão profissional, com comunicação, transmissão e uma percepção justa de que não serão apenas ‘lutinhas casadas’, mas também atletas de alto rendimento. Isso fez com que o setor privado, como as grandes empresas USA Hemp Brasil e Athletica Nutrition, enxergassem um potencial no nosso evento”, completou Daniel, que também já foi paratleta.

 


Atletas de destaque no cenário internacional participaram das superlutas com paratletas durante a competição. Mica Galvão, que é uma das grandes promessas do Jiu-Jitsu mundial, enfrentou Justino Júnior. Já Poliana Botelho, que pertence ao elenco do UFC, encarou a casca-grossa Marcelina do Nascimento.

A Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude também foi um importante parceiro na realização do evento com a inscrição de atletas de projetos sociais. Fabrício Repsold, subsecretário da pasta, comemorou: “É um prazer e um dever para nós apoiar uma iniciativa como essa, de fomento ao esporte. O Jiu-Jitsu é uma ferramenta importante para incluir na vida das crianças e dos jovens conceitos de hierarquia, trabalho em equipe e superação. E nada melhor do que um ano olímpico para incentivar nossos atletas”, concluiu ele.

O campeonato foi transmitido ao vivo pela TATAME através Facebook. Acesse AQUI e confira as superlutas!

 

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img