Tipos de lutas ao redor do mundo

Tipos de lutas ao redor do mundo

Existem diversos tipos de lutas ao redor do mundo. Ao longo de séculos, e mesmo milênios, diferentes povos e culturas criaram artes marciais únicas, com o propósito de se defender e cuidar da mente e do corpo. Por isso mesmo, aprender uma forma de lutar significa também mergulhar em uma nova cultura e, para alguns, aprender um novo idioma.

Atualmente, o estilo de luta mais popular no mundo é o MMA. Sigla para Mixed Martial Arts, ele é uma luta criada no Brasil, derivada do antigo Vale-Tudo. Muito provavelmente você já viu alguma luta do UFC. Como o nome sugere, ele combina diferentes lutas para proporcionar um combate completo, como Muay Thai, Jiu-Jitsu, Boxe e Wrestling.

A seguir, vamos conhecer mais sobre desses tipos de lutas, entre outros, e mergulhar no universo das artes marciais.

1- Boxe

O boxe é uma dos tipos de lutas mais antigas e populares do mundo. Os primeiros relatos sobre esta prática remontam a cerca de 5000 anos, no Antigo Egito. Lá, a luta era uma atração para o faraó e toda a nobreza se entreterem em eventos festivos. Fora isso, pouco se sabe sobre as regras da luta, apenas que ela era praticada com os punhos.

Na Grécia Antiga, o esporte tomou outras proporções, tornando-se uma modalidade olímpica. A luta era travada entre dois atletas com as mãos envolvidas em tiras de couro, e acabava apenas quando um lutador ficasse inconsciente ou desistisse do combate.

No entanto, apesar da enorme popularidade na antiguidade, o boxe entrou em declínio durante o Império Romano. Nesse período, as lutas eram normalmente realizadas entre gladiadores portando luvas de metais, o que deixava a luta muito sangrenta.

O esporte retomou sua relevância na Inglaterra do século XVIII, onde voltou a ser disputado. Inicialmente, não haviam muitas regras, nem a utilização de luvas, o que fazia com que o boxe fosse visto como algo marginalizado. Em 1865, o pugilista John Graham Chamber criou as “Regras do Marquês de Queensberry”, um conjunto de normas que deram início ao boxe moderno. A partir dessas regras, estabeleceu-se o uso de luvas, combates dentro de ringues, número de assaltos e tempo de descanso, entre outras coisas.

No Brasil, o boxe demorou mais tempo para se difundir. Chegou no início do século XX com os imigrantes alemães e italianos. Considerado violento demais, a modalidade chegou a ser proibida entre os anos de 1922 e 1925, mas hoje conta com um grande número de praticantes.

2- Muay Thai

Milenar, o Muay Thai é uma luta originária da Tailândia, onde é símbolo nacional. Conhecido pela sua grande eficiência, o esporte está entre os mais praticados no mundo, e é uma das bases para o MMA, sendo chamado de “arte das oito armas” por combinar golpes utilizando punhos, cotovelos, joelhos e pés.

A luta surgiu entre as camadas mais pobres da sociedade tailandesa, especialmente os agricultores. Eles tinham a necessidade de se proteger de bandidos e senhores da guerra, e a luta tinha a função de autodefesa.

O Muay Thai evoluiu muito ao longo dos séculos. No início, era muito semelhante ao Kung Fu chinês, com golpes com a ponta dos dedos e imobilizações. Depois, foi tomando forma própria, dissociando-se cada vez mais para se tornar uma luta única.

Na Tailândia, essa modalidade conta com toda uma ritualística, com elementos espirituais e religiosos. Por exemplo, é comum que os lutadores utilizem indumentárias cerimoniais antes dos combates. A presença de música e danças feitas pelos combatentes também é frequente.

Ao redor do mundo, no entanto, esses elementos são menos comuns, já que o Muay Thai está relacionado com a cultura local da Tailândia. No Brasil, a modalidade chegou em 1979, com as primeiras academias dedicadas à luta. Durante os anos 1980 foi inaugurada a primeira associação de Muay Thai.

3- Karatê

O Karatê é uma das muitas artes marciais japonesas. Seu berço é a ilha de Okinawa, no extremo sul do arquipélago que compõe o país. O Karatê surgiu durante o século XV, quando o porte de armas por pessoas que não fossem nobres ou samurais era proibido. Buscando uma forma de se defender de eventuais agressões e injustiças, a luta foi sendo desenvolvida até se tornar extremamente popular e eficiente.

Séculos depois, o esporte recebeu um conjunto de regras que tinham como objetivo evitar grandes danos entre seus praticantes. Foi a partir dessas normas que a luta se consolidou como uma atividade física pelo Japão.

Sua expansão pelo mundo aconteceria já no início do século XX, com o fluxo migratório de japoneses para países como Estados Unidos e Brasil. Em 1930, ele foi oficialmente reconhecido pelo Japão como uma das artes marciais japonesas tradicionais, dando origem às regulamentações modernas do esporte.

Assim como outras lutas, o Karatê possui estilos que se diferenciam entre si – apesar de seguirem um padrão que os definem todos como sendo a mesma arte marcial. Por exemplo, existe o Karatê Shuri-te, Tomari-te, Shotokan, Shito-Ryu, Wado-Ryu, Goju-Ryu, entre outros.

4- Taekwondo

O Taekwondo é uma arte marcial tradicional da Coreia do Sul. Ela foi desenvolvida pelo mestre Choi Hong Hi, em 1955, como uma forma de resgatar a prática e a doutrina de antigas formas de luta coreana que se perderam no tempo. No início do século XX, a Coreia foi ocupada por japoneses, que proibiram lutas e outras formas de expressões culturais, com uma política de niponização da população da península.

Em pouco tempo, a modalidade alcançou relevância internacional. Já em 1964 foi realizado o primeiro campeonato mundial da luta. Mais de 200 atletas de 22 países foram à Coreia para participar do torneio. No Brasil, a luta foi introduzida em 1970 pelo mestre Song Min Cho, que migrou para a cidade de São Paulo e fundou sua própria academia.

O Taekwondo é conhecido principalmente pelos seus chutes – muitos deles acrobáticos, com giratórias e outros recursos que potencializam a força do golpe. Além disso, os atletas também utilizam os punhos para golpear o rival. Em competições oficiais, os pontos são somados quando se acerta o colete ou a cabeça do oponente.

5- Judô

Mais uma das lutas tradicionais japonesas, o Judô foi criado pelo professor de educação física Jigoro Kano, em 1882, com o propósito de ser uma luta para cuidar do condicionamento físico, equilíbrio da mente e evolução espiritual. O significado de Judô em português é “caminho suave”.

Atualmente, o Judô é uma das artes marciais mais populares do mundo, contando com cerca de 20 milhões de praticantes e um grande número de federações e associações. Só o Brasil conta com mais de 1 milhão de adeptos, e todos os estados possuem federações próprias para organizar a prática e a competição da modalidade.

A luta é realizada em tatames quadrados, com medidas que variam entre 14 a 16 metros em cada lado. As lutas podem durar até 5 minutos ou até um dos lutadores conseguirem um ippon. Se o tempo se esgotar sem que nenhum dos dois tenha realizado o golpe, a vitória se dá por contagem de pontos e penalidades.

Além do Ippon, que é o ponto completo, obtido por meio da imobilização ou finalização completa do adversário de costas no chão, existem mais 3 pontuações. Em ordem decrescente de valores, são elas: Wazari, Yuko e Koka.

Tipos de lutas brasileiras

O Brasil conta com diversas lutas tradicionais, como por exemplo as indígenas. No entanto, a mais famosa é a Capoeira. Ela começou a ser desenvolvida no século XVI, pelos escravizados que eram trazidos da África para o Brasil a fim de trabalhar nas plantações. Eles praticavam a luta como forma de se manterem conectados com sua cultura e para cuidar da saúde física e mental. Além disso, era com a capoeira que os escravizados que conseguiam fugir combatiam os capitães-do-mato.

No entanto, os senhores de engenho proibiam qualquer forma de arte marcial entre escravizados, já que isso representava uma ameaça ao domínio deles. Para disfarçar a prática, os africanos adicionavam música e gingado entre os golpes, simulando algo parecido com uma dança. Mas não se engane: a Capoeira é uma luta extremamente letal.

Tanto é, que a luta foi proibida no Brasil até o ano de 1930, por ser considerada violenta demais e estar associada a pessoas periféricas. Esse cenário se transformou com a chegada de Getúlio Vargas, que queria criar uma identidade nacional própria ao país. Além da Capoeira, o Samba e a Feijoada também tornaram-se símbolos nesse período.