Wrestling brasileiro encerra Jogos Pan-Americanos com três medalhas e iguala melhores campanhas

Publicidade

O Wrestling brasileiro encerrou com três medalhas a sua participação nos Jogos Pan-Americanos 2019, neste sábado (11), no ginásio do Coliseu Miguel Grau, em Lima, Peru. Aline Silva conquistou a medalha de prata até 76kg. Já Giullia Penalber até 57kg e Lais Nunes até 62kg ficaram com a medalha de bronze em suas respectivas categorias. Ao todo, foi o mesmo número de medalhas das edições de 2007 nos Jogos do Rio e Toronto 2015. Dos nove lutadores que representaram a nação nos três estilos da modalidade, greco-romano, wrestling feminino e estilo livre, sete disputaram medalhas. Os atletas se despedem de Lima e iniciam a preparação para o Campeonato Mundial de Wrestling 2019, em Nur Sultan, no Cazaquistão. O torneio classifica os cinco primeiros colocados de cada categoria olímpica para os Jogos de Tóquio 2020, grande objetivo dos lutadores.

“Fico feliz de alcançar a terceira medalha em Jogos Pan-americanos e saber que sou a atleta com mais pódios em Jogos pelo Brasil. Fico ainda mais feliz de ver todos os atletas disputando medalha, quebrando paradigmas e fazendo história. No dia 19 de agosto viajo para Montreal (CAN) e treino até a data de embarcar para o Mundial. Quero colocar mais elementos no meu estilo de lutar para poder conquistar a vaga para Tóquio já nesta primeira oportunidade” frisou Aline, prata também em 2011 e bronze em 2015.

Para Lais Nunes, uma das favoritas a medalha de ouro em Lima, o bronze teve um gosto de superação. Atual número dois do ranking mundial, a lutadora chegou como uma das favoritas ao título, mas caiu na primeira rodada diante da norte-americana Kayla Miracle. Como a oponente chegou até a final, Lais foi repescada e venceu com autoridade a disputa pela medalha de bronze pelo placar de 4 a 1 contra a venezuelana Nathali Herrera.

“Essa medalha é especial, pois ainda não tinha conseguido participar dos Jogos Pan-americanos. Depois da primeira luta me recompus e tive muita vontade de subir ao pódio. Tive que lidar com os meus pensamentos entre as eliminatórias e finais, consegui voltar e ganhar a medalha. Por isso vibrei tanto com a medalha”, frisou Lai, atleta olímpica nos Jogos Rio 2016 e estreante em Jogos Pan-americanos na edição de Lima 2019.

Para Giullia Penalber o pódio foi uma recompensa ao sacrifício. Depois de ser obrigada a mudar de esporte em virtude da proibição da catada de pernas no Judô, ela mostrou que nada vai impedir de seguir em busca do sonho olímpico. A carioca agradeceu as mensagens de apoio dos amigos e espera gravar de vez o nome na história do esporte com ida para os Jogos Olímpicos de Tóquio, feito inédito em sua carreira.

“Sinto que esta medalha é uma recompensa por superar todas as dificuldades do dia a dia. Essa foi a minha segunda participação em Jogos Pan-americanos e espero garantir uma vaga em Tóquio e entrar de vez para história do esporte. O sonho olímpico move todos os atletas de Wrestling e vou buscá-lo até o fim”, afirmou Giullia, sétimo lugar em Toronto 2015 e medalhista em Lima 2019.

Além das medalhistas, o Brasil foi representado por mais seis atletas: no estilo greco-romano, Angelo Moreira, quinto colocado até 77kg e Joilson Júnior, sétimo lugar até 67kg; no wrestling feminino, Kamila Barbosa foi a quinta colocada até 50kg e Camila Fama ficou com o sétimo lugar até 53kg; no estilo livre, Daniel Nascimento conseguiu a sétima colocação até 57kg e Antoine Jaoude ficou com o quinto lugar até 125kg.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidadespot_img