Aldo confirma que vai encerrar a carreira em 2019: ‘Com a luvinha preta, é o fim’

Publicidade

Por Yago Rédua

Nesta quarta-feira (16), no Rio de Janeiro, José Aldo atendeu a imprensa em uma coletiva sobre o UFC Fortaleza, quando enfrentará o compatriota Renato Moicano no dia 2 de fevereiro. O ex-campeão disse que em 2019 pretende cumprir as três ultimas lutas do seu contrato com a organização e encerrar a carreira no segundo semestre, aqui no Brasil.

“Isso é certo (quando o contrato acabar vou me aposentar). O que acontecesse com o lance do cinturão (risos)… Se eu luto pelo título e venço, o contrato automaticamente se renova, acho que é isso, preciso ler certinho o contrato. Aí o Dedé tem que entrar em ação pra negociar. Isso é o que eu não quero, ficar preso (ao contrato). Quero lutar em Fortaleza, depois Curitiba e encerrar minha carreira aqui (Brasil) no segundo semestre. Eles (UFC) sabem disso. Não tem motivo eu mirar o título, mas vou vencer essas três lutas e atrapalhar quem entrar na minha reta. Com a luvinha preta, esse é o último ano”, disse.

A respeito da polêmica de preferir lutar três rounds ao invés de cinco e fazer a luta principal do UFC Fortaleza, Aldo garantiu que não foi uma escolha própria. O lutador contou que essa opção foi do treinador Dedé Pederneiras e que gostaria de fazer o main event.

“Eu ia lutar com o Cub Swanson, mas ele se machucou. Depois, foi oferecida a luta com o Moicano. Eu nunca falei que não lutaria com ele. Não sendo da minha equipe, eu luto com qualquer um. Eu mandei uma relação de dez nomes da categoria que eu poderia lutar e o nome do Renato estava lá. Quem não achava bom isso de cinco rounds era o Dedé. Ele que fechou a luta assim, porque ele achou melhor. Por mim tanto faz. Eu treino para isso. Quero chegar lá dentro e fazer o meu melhor. Lógico (que gostaria de participar da luta principal), mas respeitando o Raphael (Assunção) e o Marlon (Moraes). É bem difícil um evento que eu esteja, que eu não faça a luta principal. Mas se até hoje eu cheguei a ser o campeão que eu sou, é por causa do Dedé, então, ele sabe o que faz”, revelou Aldo.

Violência no Ceará

O estado do Ceará vem sendo alvo de ataques de criminosos neste mês de janeiro, o que coloca em risco a relação do UFC Fight Night 144, no dia 2 de fevereiro, no Centro de Formação Olímpica. Ao ser indagado sobre o tema, Aldo disse que tem acompanhado, torce para que a situação melhore e afirmou que é um desejo lutar diante da torcida cearense.

“Eu estava conversando sobre isso. Acho que pode acontecer isso (mudarem o local). Mas espero que as autoridades locais façam tudo certo e que fique tudo bem. É um desejo meu lutar em Fortaleza, eu tenho diversos fãs lá. Quando teve a oportunidade, eles pediram o meu nome no card. Espero que tudo se resolva nestas duas semanas. Espero que não mudem (o UFC de local). Está tudo programado para lutar lá”, encerrou o ex-campeão.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade