Academia da Tijuca retira bolsistas após abaixo-assinado e proprietário da Delfim comenta caso

Publicidade

Por Mateus Machado

Na última segunda-feira (3), através de sua coluna no jornal “O Globo”, o jornalista Ancelmo Gois revelou que pais de uma tradicional academia na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, se reuniram e fizeram um abaixo-assinado exigindo que três crianças bolsistas fossem retiradas das aulas de Jiu-Jitsu que são ministradas na equipe. Os meninos, moradores do Salgueiro, comunidade localizada na Tijuca, não pagam para praticar a arte suave no local, já que faziam parte de um projeto social existente na academia.

O caso repercutiu bastante nas redes sociais e diversas pessoas se mostraram totalmente contrárias à atitude tomada pela academia. Desta maneira, a TATAME entrou em contato com Gabriel Ribeiro, proprietário da Academia Delfim, também localizada na Tijuca, que é uma referência no Boxe e, além de formar grandes atletas, mantém uma série de projetos sociais. A Delfim oferece atualmente atividades especiais para jovens e idosos, e também emprega ex-presidiários, uma das causas do projeto de ressocialização da instituição.

“Eu soube qual foi a academia que fez isso, mas não vem ao caso falar qual é, pois já é algo antiético. Está todo mundo falando disso na internet. Agora é a hora de mostrar que a Delfim, com a ONG Mais Vida, é um local que cuida do indivíduo, é muito mais que uma academia, é uma família. Esse é o caminho que devemos construir. Muitas pessoas pensaram que esse caso tinha acontecido na Delfim, mas se enganaram. É só para pensar em quantos bolsistas estão aqui, o convênio que temos com projetos sociais, temos ex-detentos que trabalham aqui comigo. Esse caso me deixou muito triste, porque, por nenhum motivo, isso deveria ter acontecido. Foi uma verdadeira lástima”, disse Gabriel.

Vale ressaltar que a ONG Mais Vida, criada por Gabriel em 2015, realiza convênios com organizações que acolhem portadores de deficiência física e moradores de baixa renda, provenientes de comunidades carentes do Rio e que treinam na academia como bolsistas.

“A academia Delfim nasceu em 2007 e sempre teve essa visão de ser igual a nobre arte, de propor o Boxe para as pessoas que não podem pagar. Sempre ofereci bolsas e, em 2015, nasceu a Mais Vida, e com isso, entendi o que é uma associação, o que é uma ONG. Como eu já fazia muitas coisas, eu só aumentei a minha atenção para esses projetos e vi que era o que eu queria para a minha vida. Hoje eu trabalho com seis ex-detentos, abro bolsas e tenho um núcleo na Vila Mimosa, outro na comunidade do Borel e estamos desenvolvendo mais um na Vila Kennedy, fora as bolsas que eu ofereço dentro da academia para as pessoas que moram nas áreas de exclusão social, como é no Salgueiro, Turano, Borel, entre outros. Eu trabalho e ofereço a minha academia e o nosso serviço com o maior prazer para essas pessoas. Na Delfim, nós trabalhamos a interação entre os pobres, os ricos, os mais novos e os mais velhos. Aqui, todos são um só”, concluiu Ribeiro, que ainda publicou um vídeo para esclarecer boatos vindos da internet, salientando sua opinião.

Confira abaixo:

Publicidade

Notícias relacionadas

3 COMENTÁRIOS

  1. joana vai tuma nessa tua xana vc vem da casa de mae joana entaum cale sua boca vc naum esta fazendo mais do que eles e ainda desce o pau garota vai procurar um macho ja que sao todos iguais cale sua boca traveiz e escolha um simplesemente assim oce ta com farta di pika tadinha da bixinha imploraaaaaaaaa

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade