Veterano do MMA, Gustavo Ximu se ‘reencontra’ no Jiu-Jitsu e coleciona títulos aos 43 anos; confira

Publicidade

Por Mateus Machado

Um verdadeiro amante das artes marciais. Assim pode ser definido Gustavo Ximu, atualmente com 43 anos. Ainda da época do Vale-Tudo, o casca-grossa acompanhou a transição para o MMA, onde construiu um extenso cartel de 23 vitórias e 10 derrotas na modalidade. Tendo feito sua última luta profissional em 2013, o faixa-preta não quis saber de deixar o mundo das lutas e embarcou para um novo desafio: o foco no Jiu-Jitsu.

A decisão foi extremamente positiva para Gustavo, que desde então, passou a concentrar seus treinamentos no Jiu-Jitsu com e sem quimono, colecionando diversos títulos nacionais e mundiais. Em 2019, o atleta da Gracie Barra tem mostrado um ritmo impressionante, e pelo menos até o momento, já foi ouro no Pan-Americano, Brasileiro, entre outros torneios.

“Durante a época do MMA, eu treinava Jiu-Jitsu, mas não competia por focar somente nas lutas de MMA, e como eu gostava e gosto muito do desafio, achei a maneira certa de partir para dentro das competições de Jiu-Jitsu de quimono e sem quimono. Essa atitude que eu tive me deixou muito feliz e bem, porque o desafio nunca acaba. Todo mês estou competindo até duas vezes”, contou Ximu.

Confira a entrevista completa com o lutador:

-Trajetória nas artes marciais

Comecei a lutar na época do Vale-Tudo ainda e alguns eventos nem luva na mão tinha (risos), e também peguei a transição para o MMA. Foram 15 anos lutando e todas as lutas, para mim, foram um desafio. Nunca subestimei nenhum adversário, porque já houve luta que seria mais difícil e se tornou a mais fácil, e a fácil se tornar a mais difícil, então o foco era total. Lutei muito na regra que valia pisão na cabeça, cabeçada, e o tempo que eram dois rounds de 10 minutos, e havendo empate, tinha um overtime de 5 minutos. Fiz mais de 30 lutas, e entre Brasil, EUA e Japão, adquiri muita experiência. O treino era intenso, tanto de Muay Thai como no chão, eram rounds longos. Fiz muitos intercâmbios na época treinando fora, diversos deles com o Georges St-Pierre, que se tornou meu amigo.

-Decisão de focar no Jiu-Jitsu

Durante a época do MMA, eu treinava Jiu-Jitsu, mas não competia por focar somente nas lutas de MMA, e como eu gostava e gosto muito do desafio, achei a maneira certa de partir para dentro das competições de Jiu-Jitsu de quimono e sem quimono. Essa atitude que eu tive me deixou muito feliz e bem, porque o desafio nunca acaba. Todo mês estou competindo até duas vezes. Além de eu me cobrar mais, treinar mais e aprender mais, estou também motivando sempre meus amigos de treino a competir.

-Segredo para se manter ativo e conquistando títulos aos 43 anos

O segredo é sempre você treinar bastante e se alimentar bem. Lógico que existem diferenças entre pessoas. No meu caso, como vim de treinos muito puxados do MMA, que englobam Boxe, Muay Thai, Wrestiling, Jiu-Jitsu e preparação física, e depois você passa a lutar uma só modalidade, que é o Jiu-Jitsu, acho que melhora um pouco para focar somente em treinos de quimono e na parte física. Mas já cheguei a fazer também de quimono 5 lutas no mesmo dia. É ‘selva’ demais, mas estou muito feliz por estar em atividade.

-Título no Brasileiro de Jiu-Jitsu

Sobre o Brasileiro de Jiu-Jitsu, eu me inscrevi no último dia. Por estar vindo de vitórias, me motivei por ser, acredito eu, que o campeonato mais forte do Brasil e que só tem os melhores, com lutas muito duras. Fiz quatro lutas, finalizei três e ganhei uma por pontos. Estou muito satisfeito com o resultado, para mim e para minha equipe, Gracie Barra, afinal, onde eu treino, as atividades são muito puxadas e isso que me fez ser campeão.

-Próximos passos

Daqui a uma semana já estou lutando de novo o Estadual de Jiu-Jitsu, me preparando para o Mundial e estar sempre me superando, nunca parar. As competições aqui no Brasil estão começando a pagar os atletas e a tendência é que ‘copiem’ o que já acontece lá fora, onde têm eventos de luta casada de quimono ou sem quimono que você recebe um bom dinheiro para lutar, e aqui no Brasil, aos poucos, já estão surgindo eventos assim. Ainda estamos no começo, mas uma hora vai explodir.

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade