Diego Lima acredita que pandemia pode fazer lutadores ‘desistirem do sonho’ e conta a situação na Chute Boxe em São Paulo

Publicidade

* A pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19) é uma realidade no Brasil e no mundo, e setores das mais diversas áreas estão precisando se adequar, entre eles o esportivo. No MMA, os eventos – em sua maioria – foram suspensos e as academias estão de portas fechadas. O impacto é grande, tanto esportivamente, quanto financeiramente, e afeta academias/equipes, organizações, atletas e professores/treinadores.

LEIA A TATAME #260 ONLINE, AQUI

Líder da Chute Boxe em São Paulo, Diego Lima falou em entrevista exclusiva à TATAME sobre os principais problemas causados pelo período de quarentena imposto como forma de conter o avanço da Covid-19. Segundo ele, além do lado financeiro – talvez o principal -, muitos atletas da equipe viram seus sonhos serem frustrados com lutas canceladas e a dificuldade de continuarem ativos durante a pandemia.

“Tivemos em torno de 15 lutas canceladas, muitos eventos caíram, e isso é triste porque a molecada estava treinando duro, fazendo dieta, focada, então dá uma desanimada, mas ao mesmo tempo, por mais que os atletas fiquem chateados, é algo que foge do nosso controle, que precisamos enfrentar. Tenho certeza que assim que acabar esse caos os eventos vão voltar, e todos estarão prontos para sair na mão. O momento agora não é de desespero, e sim respirar fundo, cuidar da saúde e familiares”, disse Diego, completando:

“O impacto financeiro com os cancelamentos é muito grande. No mundo inteiro acho que os lutadores serão afetados. A maioria ganha muito pouco na tentativa de realizar o sonho de ser lutador, e esse período pode fazer com que muitos desistam, caso não aguentem esse impacto financeiro. Já é difícil pagar as contas lutando, dando aulas, imagina com tudo parado então. Infelizmente, acho que perderemos muitos talentos, e isso me entristece muito, pois ter que abrir mão desse sonho pela parte financeiro é complicado”.

Por outro lado, se os lutadores vão sofrer bastante na opinião de Diego, os grandes eventos nem tanto, e ele acredita em um retorno em alto ritmo das principais organizações de MMA: “Acho que os eventos se prejudicam um pouco, eles também precisam girar (o dinheiro), mas UFC, Bellator, ONE Championship e BRAVE CF, por exemplo, entre outras franquias, não terão nenhum grande problema. Acredito que eles vão voltar mais fortes ainda. Porém, essa é uma fase onde todos estão perdendo dinheiro”, opinou.

A respeito das medidas de contenção adotadas na sua filial da Chute Boxe, Diego Lima ressaltou que vem fazendo tudo ao seu alcance para que, quando as coisas voltarem ao normal, o trabalho seja afetado o menos possível. Além de reduzir ao máximo os custos operacionais da academia, o treinador e gestor afirmou que vem renegociando prazos e outros tipos de pagamento, e contado com o apoio dos alunos.

“A maior preocupação é realmente pagar as contas, aluguel, funcionários, água, luz, essas coisas. Cortar gastos aqui é muito difícil, porque nossos gastos já são reduzidos. As contas não param e algumas tem que ser pagas, então o que tenho feito é conversar, dividir um valor, pedir uma carência maior, ir buscando alternativas para que todas as contas sejam pagas, mas que isso não nos prejudique também. A maioria dos alunos está arcando com seus compromissos, e isso me deixa muito feliz. São 19 anos na academia, 15 como professor e quatro como dono, tudo foi conquistado, nada me foi dado, e meus alunos sabem disso, da minha história, do meu esforço diário para conquistar o que eu tenho e também valorizar eles. Muitos me perguntam se está tudo bem, ligam preocupados com a sua casa, porque aqui é a segunda casa de praticamente todos, para alguns até a primeira casa (risos) pelo tempo que ficam aqui”, celebrou Diego.

Confira o restante da entrevista com Diego Lima:

– Como a paralisação das atividades vem afetando a Chute Boxe?

Estamos fechados, acabei enviando professores e treinadores pra casa, e infelizmente não temos compromissos marcados. Todos foram adiados, mas sem nenhuma previsão para acontecer. É complicado, porque a gente não sabe o dia que volta, o que está acontecendo exatamente, então é muito difícil a gente se preparar para algo que não sabemos quando tem fim. Eu acredito em Deus e estou confiando dele. Na minha vida tudo foi assim, correndo atrás, arregaçando as mangas, e dessa vez não vai ser diferente. Os alunos têm ajudado muito também, somos uma família, e devido a isso as coisas estão caminhando.

– Passou alguma recomendação para os atletas da equipe?

Nós fazemos camp pra luta o ano inteiro, 365 dias. Inclusive o Charles do Bronx, que lutou no UFC Brasília, tirou uma semana de férias e depois retornou para ajudar o pessoal que ajudou na preparação dele. Como é a primeira vez que não temos lutas marcadas, ninguém é obrigado a treinar, então minha sugestão foi realmente todos tirarem férias. Cada um está fazendo o que bem entender, mas como todos são atletas, sentem falta e estão treinando por conta própria, mas a ideia é realmente a galera tirar férias.

– Como os atletas que vivem no alojamento estão se virando?

A nossa equipe é muito unida, somos verdadeiramente uma família. Para treinar com a gente não tem peneira de resultado, é de acordo com o caráter e a dignidade do atleta, saber se relacionar bem, respeito ao próximo, aí ele tem as portas abertas aqui, a parte técnica cabe a gente aprimorar. Temos um grupo de toda a equipe onde a gente conversa bastante, e tem uma casa daqui perto da academia onde moram muitos atletas, um alojamento. Como já estão juntos, eles têm se ocupado treinando entre eles, jogando videogame, dividindo os problemas e virando mais ainda uma família. Juntos vamos sair dessa.

* Por Diogo Santarém

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade