Coluna Treinamento Desportivo: conheça mais sobre os detalhes da suplementação através da creatina

Publicidade

A creatina é encontrada nos alimentos que fazem parte da nossa dieta, principalmente na carne vermelha e frutos do mar. Aproximadamente, 95% da creatina presente no corpo humano é armazenada na musculatura esquelética. Geralmente, o corpo precisa restaurar uma média de 1 a 3 gramas de creatina diariamente para que as reservas normais sejam mantidas. Como suplemento, a creatina monohidratada tornou-se uma ajuda ergogênica nutricional muito popular no mundo todo, já que vários estudos mostram consistentemente que o desempenho do exercício e as adaptações de treinamento são melhoradas quando as concentrações de creatina intramuscular são aumentadas (KREIDER et al., 2017).

Além disso, a suplementação de creatina pode ajudar a prevenir lesões através do aumento desse substrato muscular, otimizando a saúde muscular; pode ajudar na termorregulação, além de poder ser utilizado durante a reabilitação como um catalisador para o processo de recuperação. Clinicamente, a suplementação pode ser usada para auxiliar no manejo da concussão e como parte da neuroproteção da medula espinhal. Ainda no contexto clinico, a creatina também tem demonstrado efeitos positivos em doenças neurodegenerativas múltiplas, como por exemplo, o Mal de Parkinson, bem como outras condições, como a fibromialgia e isquemia cerebral e cardíaca, e até na depressão (KREIDER et al., 2017).

Como funciona a creatina?

A fadiga muscular pode ser manifestada no músculo que está em acidose. Em estado de acidose, temos como fator chave da fadiga o acúmulo de íons de hidrogênio (H+). A creatina, por sua vez, contribui para amenizar as mudanças no pH muscular que resultam desse acúmulo e, ainda, é crucial na ressíntese de ATP – energia. O aumento dos níveis de creatina pela suplementação aumenta essas duas funções – amenizar a alteração do pH muscular (reduzindo acúmulo de íons de hidrogênio) e ressintetizar o ATP (PEARCE, 2017).

Outros estudos também relacionaram o aumento dos níveis de creatina com ganhos em força, hipertrofia e aumento da secreção do hormônio do crescimento (GH), situação que é almejada por atletas que buscam alto rendimento em suas respectivas performances.

Qual é o seu uso adequado?

A Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva (ISSN) recomenda que seja feita uma fase de saturação com a ingestão de 0,3g de creatina por quilograma de massa corporal, cerca de 5g de creatina monohidratada, 4x por dia (20g por dia) de 5 a 7 dias consecutivos.

Uma vez que as reservas de creatina no músculo estão saturadas, essas demandas podem ser supridas na maioria das pessoas com a ingestão de 3 a 5g por dia, levando em consideração que atletas maiores – com maior massa corporal – podem precisar ingerir de 5 a 10g por dia, dado a relação com a massa muscular adicional na quantidade final.

A pesquisa de Kreider e colaboradores (2017) mostrou que a ingestão diária de 3g ao longo da vida de uma pessoa pode fornecer benefícios globais para a saúde, assegurando níveis nutricionais de creatina, principalmente durante o difícil processo de envelhecimento.

Efeitos adversos

A creatina é administrada de modo que não tenha efeito a curto ou longo prazo sobre a função renal. A sua utilização de curto e longo prazo de até 30g/dia por 5 anos mostrou ser bem tolerada por indivíduos saudáveis com idades variadas, desde crianças até idosos. Algumas situações de cãibras podem ocorrer, mas, pensa-se que esteja relacionada à hidratação e ao equilíbrio de eletrólitos. Um efeito adverso foi o ganho de massa corporal mesmo em atletas que estão sob restrição alimentar para cumprir requisitos específicos.

Observação

Recomendamos a ajuda de um nutricionista para desenvolver um programa alimentar e suplementar de creatina de maneira individualizada. Na elaboração deste artigo tivemos a participação de Rokaya Mikhailenko, ACSM-CPT, para melhor entendimento do trabalho.

Referências

Pearce, J. (2017) Creatine Supplementation: Review of Physiological Mechanisms, Ergogenic Benefits, and Practical Implication for the Strength and Conditioning Coach. Journal of Australian Strength and Conditioning 25(1) 56-60, 2017.

Kreider, R. & Lopez, H. et al. (2017) International Society of Sports Nutrition Position Stand: Safety and Efficacy of Creatine Supplementation in Exercise, Sport, and Medicine. Journal of the International Society of Sports Nutrition (2017) 14:18.

Artigo escrito por:

stefanediascolunaStéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia – e Professor da Keiser University – USA – e-mail: [email protected] – Instagram:

 

 

fabiocolunaFábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor do Centro Universitário UNIVAG – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

 

 

diegocolunaDiego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

 

 

Pic PashaPavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia – e-mail: [email protected] – Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel 
Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade