Carlos Boi destaca bom momento e promete ‘pancadaria’ pra cima de americano no UFC 263

Publicidade

* De contrato renovado e vivendo um bom momento no Ultimate, com duas vitórias seguidas, Carlos Boi se prepara para retornar ao octógono neste sábado (11), quando terá pela frente o americano Jake Collier na luta que abre o UFC 263, em Glendale, no Arizona (EUA). Dono de um cartel com dez triunfos e apenas um revés no MMA, o peso-pesado brasileiro conversou com a Revista TATAME nesta semana sobre o que mudou desde a sua estreia na organização, em julho de 2020, com derrota para Sergey Spivak, até agora.

“Eu costumo falar que cada luta é um novo Carlos Boi que entra no octógono, melhor. Me sinto mais confiante, mais ágil, forte e consciente do que preciso fazer no cage. Então, quem assistir ao duelo com o Jake pode esperar mais de mim (em relação à última luta)”, disse Boi, que também analisou o rival.

“Ele tem uma trocação boa, é um lutador completo, possui algumas finalizações na carreira, mas acredito que não irá aguentar o meu ritmo de luta. Eu costumo estudar mais no primeiro round e, depois, ir soltando meu jogo, ‘esquentando’ com o combate, e isso é ruim para ele. Conforme os rounds passam ele cansa mais, ‘abre o bico’, então vai casar perfeitamente com o meu jogo”, revelou o baiano sobre parte de sua estratégia.

Além de mais um triunfo, Boi também busca o seu primeiro nocaute no UFC. Entretanto, enga-se quem pensa que o peso-pesado tem pressa: “Claro que eu quero nocautear, mas não é algo que deixo pesar na minha estratégia. Quando sair (o nocaute), vai ser naturalmente. Não adianta eu apressar e me expor. Acho que o meu próximo adversário (Jake Collier) tem um jogo propício para isso (conseguir o primeiro nocaute no Ultimate), mas se não for a hora, podem esperar pancadaria pra cima dele”, garantiu o jovem peso-pesado.

O brasileiro ainda comentou sobre a situação da categoria até 120kg. Atual campeão peso-pesado, Francis Ngannou ainda não teve a sua primeira defesa de cinturão confirmada. O desejo dos fãs – e de Boi – é por um duelo com Jon Jones, ex-campeão meio-pesado e que não luta há cerca de um ano, quando entrou em rota de colisão com o UFC pedindo uma maior valorização financeira. Porém, Derrick Lewis – último a derrotar Ngannou – corre por fora e, na opinião de Carlos, uma trilogia contra Stipe Miocic também seria interessante.

“Com certeza, a luta mais interessante seria contra o Jon Jones, ate porque a luta ultima luta do Ngannou com o Lewis foi um show de horrores, e todo mundo tem receio de ver a parte 2 daquilo. O Jones seria melhor, mas acho que o Miocic também merece a revanche pelo seu histórico na organização”, concluiu Carlos Boi.

CARD COMPLETO:

UFC 263
Glandale, no Arizona (EUA)
Sábado, 12 de junho de 2021

Card principal (23h, de Brasília)
Peso-médio: Israel Adesanya x Marvin Vettori
Peso-mosca: Deiveson Figueiredo x Brandon Moreno
Peso-meio-médio: Leon Edwards x Nate Diaz
Peso-meio-médio: Demian Maia x Belal Muhammad
Peso-meio-pesado: Paul Craig x Jamahal Hill

Card preliminar (19h15, de Brasília)
Peso-leve: Drew Dober x Brad Riddell
Peso-meio-pesado: Eryk Anders x Darren Stewart
Peso-mosca: Lauren Murphy x Joanne Calderwood
Peso-pena: Movsar Evloev x Hakeem Dawodu
Peso-galo: Pannie Kianzad x Alexis Davis
Peso-leve: Matt Frevola x Terrance McKinney
Peso-pena: Chase Hooper x Steven Peterson
Peso-leve: Fares Ziam x Luigi Vendramini
Peso-pesado: Carlos Boi x Jake Collier

* Por Diogo Santarém

Publicidade

Notícias relacionadas

DEIXAR UMA RESPOSTA

Por favor, poste seu comentário
Por favor, escreva seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade